O  S a b u j o

Sabujo não é um cachorro. É um apelido dado a uma pessoa. Um homem de coração muito grande e bom. Prestativo, amigo e a prova de qualquer serviço. Trabalhador.

Um dia apareceu lá na fazenda pedindo água. Conversou, desconversou, disse que estava perdido e não tinha um lugar para ficar, pediu emprego. E ficou. Um presente dos céus.

Fez amizade fácil com todos até com os animais, até os patos andavam atrás dele e ele gostava disso.

Trabalha por dez e come por vinte. Quando você pensa em pedir para ele fazer alguma tarefa ele diz que já está feita. Eficiência total.

Nunca lhe chamamos por seu nome, sempre lhe chamávamos de novato e o apelido de sabujo surgiu quando o convidamos para caçar.
Pediu para nos guiar e nos guiou. Para nossa surpresa ele dizia é por aqui, é por ali... E atira na àquela direção, era fatal. Mais um alce ou uma lebre na panela. Não errava nas caçada, conhecia rastro, pegadas e trilhas com uma facilidade incrível, nunca perguntamos aonde aprendeu.

Todo animal da fazenda era seu amigo de estimação. Parece que até as galinhas eram apaixonadas por ele. Da mesma maneira que tratava as pessoas tratava os animais e aves.

Tem o caso que ele ficou ao lado de uma vaca doente por quatro dias sem comer e beber até que a vaca se restabeleceu. Já tinha visto gente feliz, mas por causa de uma vaca que sarou aquilo foi demais.

Agora o que realmente nos marcou profundamente e aumentou nosso apreço pelo sabujo foi: Certo dia pedi que ele fosse caçar uma lebre para nós e ele disse: uma só!
Respondi: Está bom! Traga-me umas três.
E ele saiu apressado com a espingarda a tira colo.

A floresta aqui não é muito densa em sua totalidade, mas tem muita fauna ainda, inclusive ursos que às vezes nos causavam transtornos.

Mas, foram mais de cinco horas de espera e nada dele voltar. Resolvemos ir atrás do Sabujo.

Não andamos muito e numa clareira estava sabujo caído todo machucado com cortes profundos pelo corpo e sagrava muito, mas ainda segurava uma bolsa de caçador com cinco lebres dentro.
A sua volta os arbustos estavam todos quebrados, parece que havia lutado muito com alguma coisa.
Ainda estava lúcido, apesar de tantos ferimentos. Perguntei a ele; O que ouve? Ele me respondeu. Urso, ele queria tomar a suas lebres, eu não deixei. Depois disto desmaiou.

Mais adiante esta um urso pardo grande baleado na cabeça, mas também tinha alguns machucados. A todos as qualidade que já conhecíamos do sabujo agora somamos  uma grande coragem.
Foram mais de três meses de internação, eu o visitava praticamente quase todos os dias. Já que ele era órfão e não tinha família, nós obrigatoriamente, por amor e amizade todos da fazenda era a sua família.
 E uma dessas visitas ele me impressionou e disse: Eu não queria machucar o urso, mas não teve jeito.
Quando ele voltou para casa o inverno já estava chegando, preparamos-lhe algumas surpresas. Uma festa com bolo de aniversário, presentes que lhe comoveu. Mas o que lhe fez chorar de verdade foi um grande casaco com a pele do urso que ele havia abatido. Na verdade ele não chorou pelo presente, chorou mais uma vez pelo urso morto.

Disse-lhe que queríamos lhe fazer uma dedicatória, mas não nos lembramos de seu nome.
Sabujo respondeu: Eu também nunca disse, amigos não precisam  de nome, precisa ser amigo, e a única maneira de ter amigos e ser amigo o meu nome é Emerson.


Francisco Gouveia ( Brasil)


  



                                                                                          Ralph Waldo Emerson





Nenhum comentário:

Postar um comentário

FRENCH POLICY French politics begins in the urn and ends on the finger, the original people of France who fuck. They accept...